fbpx
Evangelização no WhatsApp. Descubra se você já cometeu esses erros

Evangelização no WhatsApp – descubra se você já cometeu esses erros

Pessoas do mundo inteiro já realizam a evangelização no WhatsApp. Mas você sabia que a maioria dessas mensagens que são compartilhadas no WhatsApp acabam sendo ignoradas por quem as recebe? A explicação do por quê isso acontece é bem simples e após a leitura deste artigo, certamente você terá outra visão sobre como usar essa ferramenta poderosa para evangelização e ser bem sucedido.

Todos nós sabemos o quão poderoso é o WhatsApp para envio de mensagens rápidas. Hoje ele está entre as três maiores mídias sociais do mundo, com mais de 2 bilhões de usuários ativos. 

A verdade é que as pessoas não conseguem passar muitas horas ou em alguns casos, minutos sem dar aquela espiadinha pra ver se alguém mandou uma mensagem nova. 

O WhatsApp é sim um excelente recurso para compartilhar a palavra de Deus de forma rápida e assertiva. Acontece que, muitas vezes, na expectativa de anunciar a palavra de Deus para todas as pessoas de todos os lugares, costuma-se cometer alguns erros de comunicação e ao invés de contribuir com a expansão do Reino acaba-se perdendo uma oportunidade de ser ouvido.  

Neste artigo, compartilho alguns erros de comunicação que cristãos em geral costumam cometer na evangelização no WhatsApp mesmo sem perceber. Mas que se forem eliminados dos seus conteúdos diários, ampliarão as chances de serem vistos e consequentemente, mais vidas serão impactadas com a mensagem do evangelho.

Aprenda como começar a usar as mídias na evangelização!

Baixe o e-book Guia de Evangelização nas Mídias Sociais

Aprenda como começar a usar as mídias na evangelização!
Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

1 – Não usar uma comunicação pessoal na evangelização no WhatsApp

O primeiro erro mais comum que as pessoas cometem na evangelização no WhatsApp é não usar uma comunicação pessoal. Simplesmente encaminham um vídeo ou imagem para várias pessoas ao mesmo tempo sem dar nenhum indício de que aquele conteúdo tem alguma coisa a ver com quem está recebendo. 

Embora o WhatsApp permita o compartilhamento de conteúdos, a linguagem dessa mídia precisa ser pessoal.

Imagine a seguinte situação:

Você decide simplesmente compartilhar um vídeo para várias pessoas ao mesmo tempo, sem nenhum texto ou algo que remeta aquela mensagem ao destinatário.

Dificilmente as pessoas vão abrir esse conteúdo para assistir. Não porque estejam fazendo pouco caso da sua mensagem, mas porque são tantos recebidos ao longo do dia que naturalmente vão priorizar o conteúdo que tem mais a ver com as suas necessidades

Por outro lado, se junto a esse vídeo for uma mensagem pessoal mencionando que viu aquele vídeo e se lembrou daquela pessoa, certamente as chances serão grandes desse vídeo ser aberto e assistido até o final. Isso porque ao mencionar a pessoa, você despertará o gatilho da curiosidade, incitando-a a querer checar o que naquele conteúdo tem a ver com ela.

Então, a partir de agora, toda vez que sentir de compartilhar um conteúdo com a intenção de evangelizar no WhatsApp, busque encaminhar também uma mensagem de cunho pessoal, que desperte na pessoa o desejo de visualizar o seu conteúdo e ser abençoada.

2- Enviar mensagens em excesso

O segundo erro mais comum que os cristãos costumam cometer no WhatsApp é enviar mensagens em excesso.

Todo dia manda mensagem, uma, duas várias mensagens. A intenção é boa, mas o excesso de envios é invasivo e vai chegar uma hora que a pessoa simplesmente não vê mais e começa a ignorar essas mensagens.

Lembra do estereótipo do vendedor chato que fica no pé do cliente quando entra numa loja? Assim também é vista a pessoa que manda várias mensagens todo dia sem nenhum direcionamento.

As pessoas se sentem constrangidas com tantos envios e nosso objetivo como evangelistas de Cristo não é constranger as pessoas e sim espalhar boas novas, não é mesmo?

Então, ao invés de espantar as pessoas, que tal espalhar a mensagem do evangelho com moderação e sabedoria?

3- Não filtrar o conteúdo de acordo com as necessidades do público-alvo

E o terceiro erro que as pessoas cometem ao evangelizar no WhatsApp é não filtrar aquilo que compartilham de acordo com as necessidades do público alvo.

Veja bem, se o objetivo é evangelizar, então é preciso buscar conteúdos que correspondam com as dores e necessidades das pessoas. Não é prudente sair compartilhando qualquer coisa. 

Uma das premissas do marketing digital é entregar conteúdos que satisfaçam desejos, dores ou necessidades do público alvo. Seu público tem uma dor e você produz o conteúdo que será o remédio para essa dor.

Isso também serve para conteúdo cristão. Você pode produzir ou buscar por conteúdos já prontos que sejam de fontes confiáveis e contenham a solução para os problemas do seu público alvo.

As chances dele se conectar com seu conteúdo são muito maiores do que se você simplesmente despejar qualquer coisa no WhatsApp deles.

Então, ao invés de sair compartilhando conteúdos aleatoriamente, o ideal é sempre filtrar antes. Você pode fazer perguntas do tipo:

  • Isso aqui tem a ver com quem?
  • Porque devo compartilhar com essa pessoa?
  • Vai ajudá-la a resolver o seu problema?
  • Vai fazê-la sorrir?

E só depois de se certificar dessas informações, daí sim passe o conteúdo adiante, lembrando de manter o teor pessoal na sua comunicação, não exagerando no envio de mensagens nos próximos dias. 

Somos embaixadores de boas notícias e não os chatões do WhatsApp, que ninguém aguenta mais receber mensagens, tá certo?

Gostou desse texto? se preferir pode também assistir o vídeo 👇

Agora sinceramente conta aqui pra mim nos comentários. Você conhece alguém ou você mesmo já cometeu algum desses erros? 😍

Facebook Comments

Sobre o Autor

vandamachado
vandamachado

Vanda de Souza Machado é cristã, publicitária de formação, mestre em comunicação social e life coach. Trabalhou no marketing corporativo por mais de 15 anos e hoje dedica-se ao empreendedorismo digital. A autora entende que o ambiente digital é um espaço fértil para anunciar a palavra de Deus e acredita que cada cristão pode ser um meio em potencial para que isso aconteça voluntariamente. Em seus livros e cursos ela ensina como criar um ministério digital com o auxílio de ferramentas do marketing e da comunicação social.

0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.